quarta-feira, 4 de agosto de 2010


Corto assuntos chatos, sem pudor algum, mudo de assunto sem perceber, perco o foco e atenção por pouco, um minuto um barulho e desconcentro. Não me envergonho disso, já acostumei sou assim, algum motivo há de ter, nenhum que eu possa citar agora.

Adoro escrever sobre mim, falar sobre coisas que eu penso ser verdade, coisas que eu luto pra mudar e pra conviver, não que eu seja egocêntrica, não mesmo, estou longe, acredite, só acho que admitir certas coisas aqui, torna tudo realmente mais fácil, torna tudo mais interessante, como uma espécie de jogo. Gosto que as pessoas queiram me desvendar gosto que elas tentem fazer isso. Fujo do óbvio como o diabo da cruz. Alimento paixões mesmo sem qualquer interesse nelas. Faço coisas sem querer e acabo me julgando culpada, envergonhada.

Sou obsessiva em muitas coisas, é acho que sou. Tenho crises existências, quase sempre. Tenho uma imensa necessidade de respirar ares diferentes de tempo em tempo, pra ser bem sincera, em curto prazo.

Não vejo graça em ser a mesma pessoa todo dia, minhas mutações são consequências disso. Sou diferente por dentro e comum por fora, poucos sabem disso, poucos se interessam em saber. Não sei mais se isso me importa mais.


Amanda Vieira.

1 comentários:

tamara furlan disse...

"Alimento paixões mesmo sem qualquer interesse nelas."

sou exatamente assim como essa descrição; EU AMEI mesmo.